Última hora

Última hora

Irão pede ao Tribunal Internacional de Justiça fim das sanções dos EUA

Irão pede ao Tribunal Internacional de Justiça fim das sanções dos EUA
Tamanho do texto Aa Aa

O Tribunal Internacional de Justiça, em Haia (Holanda), foi o campo de batalha escolhido pelo Irão para responder às sanções dos Estados Unidos da América.

As audiências do processo contra Washington começaram esta segunda-feira e devem prolongar-se por, pelo menos, quatro dias, tendo o governo iraniano exigido a suspensão temporária das medidas.

Segundo o advogado Mohsen Mohebi, representante de Teerão no tribunal, os EUA estão a estrangular a economia do país, construindo um cerco de consequências dramáticas para o povo.

"Esta política não é nada mais do que uma clara agressão económica contra o meu país. O termo agressão não é exagerado. Os Estados Unidos afirmaram que o objetivo dessas medidas é mesmo provocar o máximo de danos ao Irão", declarou Mohsen Mohebi na audiência no principal órgão judiciário das Nações Unidas.

O Irão garantiu que o Tribunal Internacional era a única via possível depois do fracasso da diplomacia.

No entanto, o Secretário de Estado americano, Mike Pompeo, já garantiu em comunicado que o país vai defender-se "vigorosamente" do Irão. Pompeo acusou ainda o Irão de querer interferir com o direito soberano dos Estados Unidos de tomar as decisões legais necessárias para proteger a sua segurança nacional.

Em maio, o presidente norte-americano, Donald Trump, retirou os Estados Unidos do acordo nuclear assinado pelo Irão e pelas grandes potências em 2015. Foi então anunciado o restabelecimento de duras sanções económicas à nação islâmica.

As primeiras sanções norte-americanas, lançadas no início de agosto e relativas ao setor financeiro e comercial, serão seguidas em novembro por outras a visar o setor petrolífero e de gás, essenciais para o fôlego financeiro do executivo iraniano.