Última hora

Última hora

Referendo anticorrupção na Colômbia inválido por falta de votos

Referendo anticorrupção na Colômbia inválido por falta de votos
Direitos de autor
REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

O referendo anticorrupção, na Colômbia, não conseguiu votos suficientes para ser considerado válido. As pessoas foram chamadas às mesas de voto para se pronunciarem sobre medidas de combate à corrupção, nomeadamente na área da política.

"Ficou claro que a Colômbia não aguenta mais corrupção"

Iván Duque Presidente da Colômbia

O referendo só seria considerado válido caso um terço da população participasse, ou seja, 12 milhões e 600 mil pessoas, o que acabou por nao acontecer. Segundo dados oficiais, apenas 11.605.596 responderam ao referendo.

"Ficou claro que a Colômbia não aguenta mais corrupção", disse Iván Duque, presidente do país.

O referendo foi lançado durante a anterior legislatura da ex-senadora do Partido Verde (oposição), Claudia Lopez, e aprovado este ano pelo Senado, com três milhões de assinaturas.

Claudia Lopez

Os eleitores foram chamados a pronunciar-se sobre sete medidas que incluíam desde a redução dos salários de altos funcionários e deputados ao fim das penas de prisão domiciliária, passando pelo congelamento dos bens dos condenados. Propunha-se também a limitação do número de mandatos políticos e a obrigação de prestação de contas para os parlamentares, além da proibição de contratos com o Estado para empresas condenadas por corrupção.

A corrupção implicou para a Colômbia perdas de pelo menos 4% do PIB entre 1991 e 2001, ou seja 2,5 mil milhões de euros na moeda atual, segundo um estudo recente da Universidade Externado. No Índice de Perceção da Corrupção, divulgado anualmente pela ONG Transparency International, o país classificou-se em 96º lugar numa lista de 180. Cerca de 2.200 pessoas foram acusadas de corrupção pelo Ministério Público nos últimos 18 meses.