Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Museu Nacional: Uma tragédia anunciada

Museu Nacional: Uma tragédia anunciada
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 90 por cento das mais de 20 mil peças que compunham o acervo do Museu Nacional, a biblioteca do departamento de antropologia e anos de investigação, foram consumidos pelas chamas e reduzidas a cinzas num incêndio, no último domingo, que não se pode dizer que era imprevisível. Agora tenta-se recuperar o recuperável, enquanto se investigam as causas do fogo num edifício que não tinha sistema de deteção e combate a incêndios.

A juntar à tragédia da perda de um espólio, irrecuperável, o acervo egípcio, artefactos greco-romanos, coleções de paleontologia - que incluíam o esqueleto de um dinossauro encontrado na região de Minas Gerais e o mais antigo fóssil humano descoberto no Brasil, "Luzia", por exemplo, surge agora a informação de que o Museu Nacional do Rio de Janeiro não tinha seguro sobre o património nem uma brigada interna de funcionários capacitados para responder a situações como esta. A questão é sempre a mesma, falta de verbas.

A ajuda vai agora chegando, a governamental tardia a de outros países em boa hora. França, de acordo com o presidente Emmanuel Macron, vai enviar especialistas para ajudar na reconstrução.

À Folha de São Paulo o responsável do setor cultural argentino, Pablo Avelluto, país que se disponibilizou para ajudar e enviar peças para o Brasil, diz que esta tragédia deve ser vista como um alerta para outros países onde museus, como este, estão em situação não muito diferente, ou seja, o apoio estatal é parco.

A publicação paulista fala ainda de um financiamento do Banco Mundial, 80 milhões de dólares para financiar a reforma do espaço, nos anos 90 mas que nunca saiu do papel porque a Universidade Federal do Rio de Janeiro vetou a passagem, explica a "Folha", da instituição a associação privada sem fins lucrativos.

O Governo anunciou a disponibilização, imediata, de fundos de emergência para a construção de um novo edifício e será feita uma campanha para angariar fundos privados.

O Museu Nacional do Rio de Janeiro, criado em 1818, há exatamente 200 anos, era o maior de História Natural e Antropologia da América do Sul. Agora terá de viver com novas, principalmente, com novas coleções.

Um dos únicos vestígios preservados foi o enorme meteorito com mais de cinco toneladas, que continua em frente à entrada do espaço.

Mergulhado numa dívida pública abissal e em sucessivos escândalos de corrupção, o Brasil, que sai timidamente de uma recessão histórica, efetuou nos últimos meses muitos cortes orçamentais nas áreas da Investigação, Cultura e Ciência.

O ministro da Cultura brasileiro, Sérgio Sá Leitão, reconheceu que “a tragédia poderia ter sido evitada”.

Há três meses, por ocasião do bicentenário, o Museu Nacional obteve um financiamento de 21,7 milhões de reais (cerca de 4,51 milhões de euros) do Banco Nacional de Desenvolvimento para o restauro do edifício.