Última hora
This content is not available in your region

Os sapatos vermelhos de Dorothy voltam para casa

Os sapatos vermelhos de Dorothy voltam para casa
Tamanho do texto Aa Aa

A polícia de Grand Rapids, no estado norte-americano do Minnesota, fez uma enorme descoberta: encontraram o par de sapatos vermelhos usados por Judy Garland em "O Feiticeiro de Oz," de 1939, baseado na obra homónima de L. Frank Baum.

O par de sapatos vermelhos mais famosos da história do cinema tinha sido roubado em 2005, do Museu Judy Garland, no Minnesota, de onde era natural a atriz. Desde então, a administração do museu tinha mantido o expositor de onde tinham sido roubados vazio, com a indicação da peça que faltava.

E como por magia, o inesperado aconteceu. Magia como a dos sapatos de Dorothy, a menina do Kansas, que bateu os pés três vezes para voltar para casa, depois de uma aventura numa terra de encantar, onde conheceu o poder dos sonhos e da determinação.

O roubo dos sapatos levou as autoridades a oferecer uma recompensa equivalente a quase um milhão de euros a quem os encontrasse. Uma tarefa que parecia impossível, durante mais de uma década.

Terça-feira, foi o FBI quem anunciou ter encontrado os sapatos de Dorothy, em bom estado. Tinham levado a cabo uma longa investigação.

Uma investigação de anos

Durante anos, a polícia disse ter seguido todas as pistas possíveis, desde um par que estaria pendurado numa parede de um restaurante de estrada até uns sapatos encontrados no interior de uma mina.

O pior, dizem as autoridades, foi ter de identificar se eram realmente o verdadeiro par de sapatos vermelho rubi e não uma das muitas réplicas existentes.

No ano passado, um homem tentou enganar a companhia de seguros depositária do direito de propriedade dos sapatos, uma tentativa falhada, graças à atuação de agentes do FBI à paisana.

Existem pelo menos outros três pares de sapatos iguais aos usados por Judy Garland em "O Feiticeiro de Oz." Um deles encontra-se exposto no Museu Nacional de História Americana, em Washington DC.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.