Última hora

Discurso sobre o Estado da União: na agenda o controlo da imigração

Discurso sobre o Estado da União: na agenda o controlo da imigração
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O discurso sobre o Estado da União marca a rentrée política da União Europeia. Este ano o discurso é especialmente importante, porque para além de ser o último antes das eleições europeias de março de 2019, a tendência eurocéptica no seio da união está a aumentar.

O caso notório mais recente é o da Itália. A tomada de posse do novo governo italiano há pouco mais de três meses, foi um facto inédito pois foi a primeira vez que um governo populista subiu ao poder num dos países fundadores da União Europeia. Este é um governo de coligação entre o Movimento de Cinco Estrelas, movimento anti-sistema nascido e criado na internet e o partido nacionalista de direita Liga Norte, com uma retórica populista e discurso anti-imigração.

A Liga tem cumprido o seu programa eleitoral, com medidas de combate a imigração ilegal como a do encerramento dos portos a embarcações de organzações não governamentais de resgate de imigrantes no Mediterrâneo, tais como o navio Aquarius. Estas medidas estão na origem da popularidade do ministro do Interior Matteo Salvini e da Liga Norte que, segundo as últimas sondagens, é presentemente o maior partido político da Itália.

A Itália pode eventualmente servir de exemplo para outros países europeus, tal como a Suécia, a Hungria ou a Áustria, onde partidos anti-União Europeia e anti-imigração têm vindo a ganhar terreno.

Assim, no seu discurso sobre o Estado da União na quarta-feira perante o parlamento europeu, o Presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker está perante um desafio difícil, já que terá que oferecer respostas convincentes para o problema da migração e reconquistar o apoio dos eurocépticos para o projecto europeu.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.