Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Discurso sobre o Estado da União de Jean-Claude Juncker: reações em Itália

Discurso sobre o Estado da União de Jean-Claude Juncker: reações em Itália
Tamanho do texto Aa Aa

O discurso sobre o Estado da União de Jean-Claude Juncker perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo, ficou aquém das expectativas da Itália.

O Presidente da Comissão Europeia fez um apelo à solidariedade dos estados-membros para fazer face à crise de migrantes e refugiados, reconhecendo que estes "nem sempre encontraram o equilíbrio certo entre a responsabilidade que cada país deve assumir no seu próprio território e a indispensável solidariedade mútua."

Apesar da proposta para o reforço da segurança interna e do controlo de fronteiras pela Frontex - Agência Europeia da Guarda Costeira e de Fronteiras - bem como para o apoio aos sistemas de acolhimento e asilo nos Estados membros mais expostos aos fluxos migratórios, o discurso pecou pela generalidade e pela falta de medidas concretas para uma demonstração efetiva de solidariedade na Europa.

A Itália reclama regras práticas para o desembarque, resdistribuição e rejeição de migrantes no espaço europeu, ou seja, um plano de implementação do acordo celebrado pelos líderes europeus na última cimeira de Junho em Bruxelas. O país necessita de solidariedade não só em matéria de migrações mas também na implementação de reformas fiscais e na resolução da crise económica, que persiste.

Depois do seu encontro da semana passada na conferência de líderes de extrema-direita de Cernobbio com Steve Bannon, o polémico ex-assessor do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, anunciou que deseja liderar um novo movimento populista de direita pan-europeu, chamado O Movimento, que irá reunir todos os grupos populistas de direita do continente.

Para fazer face a desenvolvimentos desta gravidade, a União Europeia precisa de mostrar maior coragem, protagonismo e realismo político.