Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Juncker: O discurso do adeus

Juncker: O discurso do adeus
Tamanho do texto Aa Aa

Foi o último discurso de Estado da União feito por Jean-Claude Juncker como presidente da Comissão Europeia. A meses do fim do mandato da Comissão Juncker, na sequência das eleições europeias de maio do próximo ano, o presidente fez um balanço, perante o parlamento de Estrasburgo, do que foi feito e do que está por fazer.

Nacionalismo

Começou por falar do crescimento dos nacionalismos: "Abracemos o patriotismo que não é dirigido contra os outros e rejeitemos o nacionalismo que ataca os outros, que procura culpados em vez de procurar soluções para uma melhor coexistência".

Migrantes

Perante a crise migratória, Juncker quer a criação de uma rota para a imigração legal, ao mesmo tempo que reforça as fronteiras externas. Nas palavras do presidente da comissão, há que reforçar as fronteiras sem que a Europa se transforme numa fortaleza que ignora o sofrimento dos outros: "Os Estados-membros não têm ainda a proporção certa entre a responsabilidade pela própria soberania e a necessária solidariedade entre eles. Sou e vou continuar a ser contra as fronteiras internas. Onde existem, devem ser removidas. Se permanecerem, isso é um passo atrás inaceitável na Europa".

Brexit

Juncker deixa a comissão praticamente ao mesmo tempo que o Reino Unido deixa a União Europeia. Lamenta a decisão do Brexit e diz que o Reino Unido será sempre um parceiro privilegiado para o grupo e nunca um mero país terceiro: "Quem deixa a União Europeia não pode ter a mesma posição de privilégio que um Estado-membro. Se deixa a União Europeia, deixa de fazer parte do Mercado Único, mesmo parcialmente".

Declaração de amor

Juncker deixa a Comissão depois de declarar o amor à Europa: "Há alguns anos, neste preciso local, disse que a Europa era o amor da minha vida. Amo a Europa e será assim para sempre".

Quando tiver deixado a presidência em 2019, Jucker deixa uma Europa que lida com a saída de um Estado-membro, a candidatura de vários países dos Balcãs Ocidentais, nacionalismo em alta e uma política migratória difícil de gerir... ossos duros de roer para o próximo a ocupar o lugar.