Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O Estado da União: Juncker defende o seu legado

O Estado da União: Juncker defende o seu legado
Tamanho do texto Aa Aa

Na sequência do discurso sobre o Estado da União, Jean-Claude Juncker, falou à euronews sobre o seu tempo na presidência da União Europeia.

"Não sou ingénuo, sei exatamente onde os problemas existem, o populismo é um problema"

Jean-Claude Juncker Presidente, Comissão Europeia

Darren McCaffrey, da euronews, começa por lhe perguntar se a União Europeia está num estado pior do que há quatro anos.

Darren McCaffrey, euronews: Há quatro anos disse que queria ser franco e que a Europa não estava em bom estado. Quatro anos mais tarde, sob o seu mandato, as coisas pioraram.

Jean-Claude Juncker: "Não, isso é como alguns dos nossos colegas no Parlamento britânico apresentam as coisas. Não acho que as coisas se tenham desenvolvido numa direção má... Trabalhámos durante 21 trimestres, um a seguir ao outro, o desemprego baixou, o défice orçamental baixou, o investimento está ao nível em que estava durante a crise, por isso não estou com aqueles para quem tudo é negativo. Também existem boas notícias".

DMC: "Existem problemas como as migrações, o Brexit, o populismo... porque é que nega tudo isto?"

JCJ: "De modo nenhum. Não sou ingénuo, sei exatamente onde os problemas existem, o populismo é um problema. O Brexit é um desastre e o facto dos estados membros não terem chegado a acordo numa resposta básica para o problema das migrações também me faz triste. Não é a comissão porque a comissão apresentou as suas propostas em março de 2015 e se todos os estados membros tivessem sido tão inteligentes quanto a comissão foi há quatro anos, as coisas teriam evoluído de forma diferente".

DMC: "Quanto ao Brexit, Michel Barnier e outros na Grã-Bretanha afirmam que se pode chegar a um acordo dentro de 6 a 8 semanas. Acha que se chegará a acordo?"

JCJ: "Partilho das opiniões de Michel Barnier".

DMC: "Do que é que se arrepende mais na sua presidência?"

JCJ: "Do facto de que as instituições europeias foram incapazes de resolver as diferenças entre a Europa ocidental e de leste".