Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Quem tem medo da Rússia aliada à China?

Quem tem medo da Rússia aliada à China?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Da Rússia para o mundo. As maiores manobras militares desde o colapso da União Soviética dão pelo nome de Vostok 2018 e são uma demonstração de força numa altura em que não faltam focos de tensão. E o facto de a China participar também em alguns dos exercícios levanta várias interrogações.

Estas operações são acompanhadas por jornalistas e analistas militares do mundo inteiro. Uma das questões que mais se impõem é: para quem se dirigem estas demonstrações de poder que juntam Rússia e China? Um representante militar russo dizia à Euronews que cada um dos países está, na verdade, a enviar uma mensagem diferente.

Até ao dia 17, as manobras decorrem na Sibéria e nas águas do Estreito de Bering, com os Estados Unidos no horizonte. Estão envolvidos mais de 300 mil militares, mil aviões e 80 navios de guerra, assim como uma aliança estratégica.

"A televisão chinesa está a passar imagens do presidente Xi Jinping no fórum económico de Vladivostok, onde falou da construção de infraestruturas. Estão a dar muito pouca atenção às manobras militares. O que dizem é que servem para manter a paz na região. A China não quer passar a imagem de estar alinhada com a Rússia contra os Estados Unidos e o Ocidente", afirma o analista político Jonas Parello-Plesner.

A NATO declara que está a seguir de muito perto estes exercícios, que são apontados como uma oportunidade para Pequim aprender com a experiência militar russa na Síria.