Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Airbnb vai aplicar medidas para proteger consumidores

Airbnb vai aplicar  medidas para proteger consumidores
Direitos de autor
REUTERS/Issei Kato/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ao fim de três meses de negociações, a Airbnb decidiu que vai implementar as alterações pedidas pela Comissão Europeia para a proteger os direitos dos consumidores.

A Airbnb terá de inverter a sua atuação e começar a trabalhar com as autoridades das cidades que se queixam há anos

Kenneth Haar Ativista, Corporate Europe Observatory

A plataforma online para reserva de alojamento de curta duração em casas privadas reviu os termos e condições relativos às reservas, reclamações e custos.

"Tive uma reunião com representantes do Airbnb, que prometeram - a mim e aos representantes da Rede de Cooperação para a Defesa do Consumidor - que farão as alterações necessárias até 18 de outubro", anunciou Věra Jourová, comissária europeia para a Justiça, Consumidores e Igualdade de Género, quinta-feira, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

A Airbnb terá de apresentar, antecipadamente, o preço total das reservas, incluindo taxas extras, como as da limpeza. Outro ponto é que terá de de identificar, claramente, se o forncedor de serviço é um privado ou um profissional hoteleiro e explicar os procedimentos para reclamações e ação legal.

"Uma vez que a Comissão Europeia estabeleceu que a Airbnb é a uma empresa privada e que deve aplicar todas as regras relevantes desse desse estatuto", realçou Kenneth Haar, um ativista no Corporate Europe Observatory, uma organização não-governamental que trabalha em prol da transparência corporativa.

"A Airbnb terá de inverter a sua atuação e começar a trabalhar com as autoridades de cidades, tais como Amsterdão e Berlim, que há vários anos se queixam de que são cometidas irregularidades", acrescentou.

A plataforma tem até ao final de 2018 para proceder a essas alterações em todas as versões linguísticas da União Europeia do seu sítio na Internet.