Última hora

Última hora

Russos protestam contra reforma das pensões de Vladimir Putin

Russos protestam contra reforma das pensões de Vladimir Putin
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas protestaram, esta quarta-feira, em frente ao edifício do Parlamento russo, em Moscovo, contra a polémica reforma do sistema de pensões anunciada por Vladimir Putin.

Os deputados discutiram a proposta de aumentar dos 55 para os 63 anos a idade da reforma das mulheres e o aumento dos 60 para os 65 anos da idade da reforma para os homens.

"É uma questão de terrorismo social, uma lei que a sociedade não aceita. É categoricamente contra a adoção desta lei," assegura o líder do Partido Comunista Russo, Gennady Zyuganov.

Uma das principais críticas à reforma é a esperança média de vida dos homens na Rússia. Segundo a estimativa do Banco Mundial, ronda os 66 anos de idade pelo que, cerca de 43% morrerá antes de atingir a idade da reforma.

As propostas têm sido alvo de contestação dando origem a uma descida acentuada da taxa de popularidade de Vladimir Putin dos 80% em maio para os 64% em julho.

"Pedi ao Governo para estudar seriamente e usar todas as propostas construtivas, inclusive da oposição, da maneira mais séria", garante o presidente russo, Vladimir Putin.

A jornalista da euronews, Galina Polonskaya, relata que "e debate sobre a reforma das pensões, que dividiu a sociedade, durou quatro horas na Duma. O resultado da votação era previsível - afinal, o Rússia Unida tem uma vantagem inquestionável no parlamento. Os partidos de oposição afirmaram que para o partido no poder foi um suicídio político. Muitos residentes da Rússia estão, simplesmente, com medo de não sobreviver à reforma. Os temores em relação às pensões atingiram os índices de aprovação de Vladimir Putin."