A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Roménia criticada por deturpar Estado de direito

Roménia criticada por deturpar Estado de direito
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os eurodeputados pediram ao governo da Roménia para travar a reforma do sistema judicial e as medidas que poderão enfraquecer a luta contra a corrupção, durante o debate sobre o Estado de direito neste país, quarta-feira, em Estrasburgo (França).

A seu governo está, na prática, a legalizar a corrupção através dessa reforma

Ska Keller Eurodeputada, ecologista, Alemanha

"O seu governo quer tornar legal que as autoridades abusem do poder, o seu governo permitirá que os criminosos condenados escapem com o dinheiro roubado, em vez de ser confiscado. A senhora está, na prática, a legalizar a corrupção através dessa reforma. Mas a corrupção faz com que as pessoas percam a confiança no Estado e na democracia", disse Ska Keller, eurodeputada alemã e co-líder do partido ecologista, à primeira-ministra romena, Viorica Dăncilă, presente no plenário do Parlamento Europeu.

Em julho passado, foi demitida Laura Codruta Kovesi, procuradora responsável pelo combate à corrupção. De acordo com a organização Transparência Internacional, a Roménia é um dos países europeus mais corruptos.

"As novas leis sobre a justiça devolverão a independência à justiça", assegurou Viorica Dăncilă, que até janeiro passado era eurodeputada socialista.

"Não haverá políticos a tomar decisões sobre a nomeação ou a demissão de juízes. A independência é total, não há nenhum tipo de restrição", acrescentou a primeira-ministra.

Depois do caso com a procuradora Kovesi, houve manifestações que foram violentamente reprimidas pelas autoridades de segurança e a Comissão Europeia quer uma investigação.

"Se a Comissão tiver de ser brutal na sua avaliação, sê-lo-á. Se tivermos de usar outros instrumentos à nossa disposição, vamos usá-los. Isso não é uma ameaça, é apenas a Comissão a assumir o seu papel de guardiã dos tratados e temos de levar esse papel muito a sério”, avisou Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia com a pasta do Estado de direito.

As acusações de deriva autoritária juntam a Roménia ao lote da Hungria e sa Polónia, dois países já sob procedimentos das instituições europeias que podem levar a sanções.