Última hora

Última hora

A soprano e maestrina Barbara Hannigan brilha em Paris

Em leitura:

A soprano e maestrina Barbara Hannigan brilha em Paris

A soprano e maestrina Barbara Hannigan brilha em Paris
Tamanho do texto Aa Aa

A soprano canadiana Barbara Hannigan é considerada como uma referência em ópera contemporânea. Ao longo da carreira, Hannigan inspirou grandes nomes da composição operática como Pierre Boulez e participou em 85 estreias mundiais.

"Venho de uma pequena aldeia na costa leste do Canadá. À nossa volta, havia poucos eventos relacionados com música clássica e ópera. Não havia nenhuma ópera. Foi intimidante quando fui viver para uma grande cidade como Toronto aos 17 anos. Estava rodeada de músicos que conheciam a tradição musical e senti algum receio. O facto de começar a cantar música contemporânea deu-me confiança em mim própria, uma confiança que me serviu para explorar a música já existente, o que me libertou", contou a artista canadiana.

"Para mim, é uma obrigação que exerço com muita paixão, é como uma vocação. Dedico muito tempo à música contemporânea e ao trabalho com os compositores. É um trabalho arriscado no sentido em que damos o nosso acordo para a estreia mas o espetáculo só acontece dois ou três anos depois, não sabemos de antemão o que se vai passar e como vai ser a composição. É um processo muito interessante. Gosto da sensação de desafio deste processo que começa com a receção da música até à última noite, quando canto a nota final. Tenho a sensação de ter feito tudo para servir a obra", acrescentou Barbara Hannigan.

Há alguns anos, Barbara Hannigan começou a trabalhar como maestrina.

"É uma grande mudança porque nunca imaginei, quando era criança, que viria a dirigir uma orquestra e agora está a tornar-se algo natural para mim. Tem a ver com as minhas origens porque venho de uma pequena comunidade e adoro trabalhar em conjunto com um pequeno grupo de pessoas de forma íntima, em que podemos ouvir com atenção o que cada um tem a dizer. Este trabalho não envolve apenas a orquestra, mas também o público. O encontro com o público que vai ouvir a música emociona-me muito", concluiu a cantora e maestrina canadiana.

Mais sobre musica