Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O mistério das crianças sem braços

O mistério das crianças sem braços
Tamanho do texto Aa Aa

Charlotte tem seis anos e vive como todas as crianças francesas dessa idade... ou quase, porque nasceu sem a mão esquerda. Esta deficiência não é de origem genética nem se deve a medicamentos nem a droga. A mãe é médica e não tem explicações. Na mesma aldeia, três outras crianças nasceram com malformações semelhantes.

"Provavelmente, nunca terei respostas para a minha filha. O que podemos é identificar os fatores que favorecem estas malformações, prevenir e agir quanto às gravidezes futuras", diz Isabelle, mãe de Charlotte.

Há conhecimento de 14 casos, todos concentrados em zonas específicas de França. Só num raio de 17 quilómetros à volta da aldeia de Druillat, no leste do país, há sete casos, uma incidência 58 vezes superior à normal. Único ponto comum: Todas estas crianças nasceram em zonas rurais, o que faz imediatamente desconfiar dos pesticidas. O alerta foi dado por Emmanuelle Amar, epidemiologista, até há pouco diretora do registo que recenseia todos os casos de malformações na região de Lyon.

"Não sabemos como se deu a exposição aos produtos perigosos. Por via alimentar? Pela água? Pelo ar? Não sabemos. Há, em todos os casos, a suspeita de que uma qualquer substância no ambiente em que as mães viviam foi suficientemente forte para impedir o braço de se formar", diz a especialista.

"Quebrar o termómetro não faz baixar a febre", diz, no Twitter, Emmanuelle Amar sobre o possível fecho do gabinete que dirigia.

Há sete anos que as autoridades francesas estão a ser alertadas sobre este assunto, em vão. Emmanuelle Amar foi despedida e a estrutura que dirigia ameaça ser fechada. A ministra da saúde, Agnès Buzin, anunciou que seria criado um grupo de trabalho, no âmbito da Agência Francesa de Saúde Pública, a mesma que durante muito tempo se recusou a debruçar sobre estes casos. A eurodeputada ecologista Michèle Rivasi está desconfiada.

"Será que esta equipa vai inegrar os conhecimentos que tem Emmanuelle Amar? Mas se a suprimimos, se ela não regressa ao posto? Eu não tenho garantias de que tenhamos acesso aos resultados", diz a eurodeputada.

"Emmanuelle Amar não exclui recorrer do afastamento a que foi sujeita, com base na lei Sapin, que protege os denunciadores. Está a ser discutida uma diretiva europeia para assegurar essa proteção, mas não deve ser adotada antes do fim da legislatura, em maio", conclui a repórter da euronews Anne-Lise Fantino.