Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

EUA garantem pressão "implacável" sobre o Irão

EUA garantem pressão "implacável" sobre o Irão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma pressão "implacável" sobre o Irão: esta é a promessa da administração Trump, que terminou de restabeleceu esta segunda-feira todas as sanções levantadas com o acordo nuclear de 2015, que o presidente norte-americano já tinha deitado por terra em maio.

Um acordo que o atual ocupante da Casa Branca acusa Teerão de desrespeitar, continuando a desenvolver secretamente um programa de armamento.

Washington visa agora principalmente as exportações de petróleo e o Banco Central iraniano, mas também sanciona o setor dos transportes, bem como 50 instituições bancárias do país.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, diz que "o regime iraniano tem uma escolha: virar 180 graus na sua rota de ação fora da lei e agir como um país normal, ou ver desmoronar-se a sua economia. Desde que entrou em funções, a administração Trump avaçou com 19 rondas de sanções, visando 168 entidades iranianas".

Um dos primeiros a reagir à decisão dos Estados Unidos foi o aliado, Israel, com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu - para quem o Irão é o inimigo "número um" - a fazer referência a "um dia histórico".

E, para rejubilo de Telavive, Trump não deverá ficar por aqui. Segundo o conselheiro em Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, os Estados Unidos estão preparados para impôr ainda mais sanções do que as que entraram em vigor esta segunda-feira.