Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

PPE sob pressão para expulsar Fidesz de Orbán

PPE sob pressão para expulsar Fidesz de Orbán
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O partido Fidesz do líder húngaro Viktor Orbán continua a causar preocupação no seio da família política europeia de centro-direita, o Partido Popular Europeu.

"Quando se é contra o estado de direito e contra a independência dos tribunais, não se é democrata-cristão"

Donald Tusk Presidente, Conselho Europeu

Depois de ter apoiado o relatório do Parlamento Europeu que recomendou a ativação do artigo sétimo do Tratado da União Europeia a fim de sancionar a Hungria por violações do estado de direito, o PPE está agora sob pressão para expulsar o partido.

No congresso de Helsínquia, o PPE adotou uma resolução de emergência na qual exige respeito pelos valores e liberdades fundamentais da União Europeia, de momento debaixo de ameaça.

A resolução não menciona o nome da Hungria mas muitos delegados presentes em Helsínquia afirmam que se trata de uma mensagem direta para o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

"Vamos restaurar a unidade do Partido Popular Europeu. Nunca confiemos naqueles que servem ambições pessoais dividindo a família PPE através de acusações socialistas e liberais. Em nome da vitória regressemos às nossas raízes espirituais e proclamemos a renascença da democracia cristã", disse Orbán no seu discurso.

Discursando perante os presentes, o chanceler alemão, Sebastian Kurz, adiantou que os valores da União Europeia são sagrados independentemente do partido a que o líder do país pertença. O PPE descreveu Orbán como o filho mal comportado que todas as famílias têm e como tal seria melhor mantê-lo próximo.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, recordou a definição de democracia-cristã.

"Quando se é contra o estado de direito e contra a independência dos tribunais, não se é democrata-cristão. Se não gostamos de uma imprensa independente e de ONGs, se toleramos a xenofobia, o nacionalismo e o antisemitismo, então não se é democrata-cristão".

De acordo com as regras do PPE, a presidência do grupo pode considerar a expulsão do partido se sete elementos de cinco países diferentes solicitarem um voto.