EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Amnistia Internacional retira prémio a Aung San Suu Kyi

Amnistia Internacional retira prémio a Aung San Suu Kyi
Direitos de autor REUTERS/Athit Perawongmetha
Direitos de autor REUTERS/Athit Perawongmetha
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A organização criticou a passividade e o silêncio da líder de Myanmar a propósito da repressão militar contra a minoria muçulmana Rohingya.

PUBLICIDADE

A Amnistia Internacional anunciou esta segunda-feira a retirada a Aung San Suu Kyi do prémio Embaixadora da Consciência, que foi atribuído à líder de Myanmar em 2009.

Por trás desta decisão está a consternação da Amnistia Internacional com o silêncio face às atrocidades militares contra a minoria Rohingya.

A comunidade muçulmana da antiga Birmânia enfrenta uma onda de repressão desde 2017, que levou mais de 700 mil rohingyas a fugirem para o Bangladesh.

"Não vimos o tipo de coragem que achamos necessária e que deve ser personificada pelo Embaixador da consciência. Aung San Suu Kyi teve muitas oportunidades de falar em nome do seu povo, incluindo os Rohingya, e por demasiadas vezes ela falhou", afirmou Francisco Bencosme, representante da instituição.

Aung San Suu Kyi chegou a ser galardoada com o Prémio Nobel da Paz em 1991, quando estava em prisão domiciliária pela junta militar que dirigia o país.

Permaneceu como prisioneira política até 2010, ano em que foi finalmente libertada depois de anos de forte pressão da comunidade internacional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centenas de refugiados começaram a atravessar a fronteira de Myanmar para a Tailândia

Monções em Myanmar deixam cinco mortos e 40 mil deslocados

Aung San Suu Kyi recebe perdão parcial pelo Conselho de Estado de Myanmar