A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Comissão Europeia avança com primeiras sanções contra Itália por défice excessivo

Comissão Europeia avança com primeiras sanções contra Itália por défice excessivo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Itália não cede e a Comissão Europeia segue em frente. A 21 de novembro, o executivo europeu vai apresentar um relatório sobre a dívida do país. Cabe a Roma o passo seguinte, com duas semanas para responder. E aqui começam a desenhar-se os cenários possíveis.

Se os ministros das Finanças europeus assim decidirem, fica aberto o processo disciplinar que poderá obrigar o executivo de Giuseppe Conte a corrigir em três meses o desvio excessivo das metas fiscais.

Como medida de precaução, Bruxelas poderá também pedir a Itália a reserva de um depósito sem juros de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) e estabelecer um prazo para reduzir a dívida.

A penalização por falhar este prazo pode chegar aos 0,2% do PIB, ou seja, uma multa de 3 mil e 400 milhões de euros.

Mas o campo das sanções é vasto e pode também incluir a suspensão de fundos europeus, ou uma monitorização fiscal por parte da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE), muito semelhante ao mec anismo de resgate

"Para proteger as famílias e as empresas do aumento das taxas de juros, os países com dívidas elevadas simplesmente não deveriam aumentar ainda mais a dívida. E todos deveriam respeitar as regras da União Económica e Monetária", declarou Mário Draghi, presidente do BCE.

Itália poderá enfrentar penalizações ainda mais rigorosas por parte da União Europeia: uma multa que pode chegar aos 0,5% do PIB, isto é, 8 mil e 600 milhões de euros dos cofres italianos.