A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Às portas dos EUA mas impedidos de entrar

Às portas dos EUA mas impedidos de entrar
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de passarem mais de um mês a percorrer os 4.300 quilómetros até à cidade de Tijuana, na fronteira entre o México e os EUA, a receção aos migrantes, que na sua maioria fogem da pobreza e da agitação social na América Central, foi a anunciada. As hipóteses de entrarem nos Estados Unidos são quase nulas. E eles são cada vez mais:

"Há dois dias que estamos nisto. Passámos toda a noite ao frio, mas é assim a vida. Estamos aqui por uma melhor vida nos EUA", diz um migrante da Guatemala.

"Queremos chegar lá porque não temos dinheiro. Queremos cruzar a fronteira mas veremos o que Deus tem a dizer", desabafa outro migrante, vindo do mesmo país.

Trump chamou à caravana de migrantes movimento de "invasão", um grupo cheio de "bandidos" e "criminosos" e mobilizou quase 6.000 soldados para a fronteira. Isso não travou os mais de 3000 que já chegaram. O Ministério do Interior mexicano diz que são cerca de 8.000 à procura do "Eldorado", em terras do tio Sam.