Nos países atingidos pela crise, espera-se mais para ter filhos

Nos países atingidos pela crise, espera-se mais para ter filhos
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma das conclusões do Relatório Europeu de Saúde Perinatal, agora publicado, mostra que as gravidezes tardias acontecem com maior incidência nos países fustigados pela crise dos últimos anos.

PUBLICIDADE

Os países europeus onde as mulheres, em média, têm filhos mais tarde, são os mesmos a terem sofrido com a crise económica nos últimos anos. Os dados são de 2015, mas só agora foram conhecidos, no relatório de saúde perinatal publicado pelo Euro-Peristat, uma aliança de Institutos de Saúde Pública de toda a Europa. Muitos dos indicadores são positivos, como a descida no número de nados-mortos e na mortalidade infantil.

Mas o estudo mostra que há uma provável ligação entre as piores condições económicas e o adiamento da gravidez.

A Espanha tem a maior percentagem de partos depois dos 35 anos - um "top 5" completado por Itália, Irlanda, Grécia e Portugal. A Roménia é última de uma lista de 31 países.

O relatório mostra o panorama europeu em 30 indicadores, dos quais dez são considerados fulcrais. Um deles é a taxa de partos prematuros. Embora não esteja na lista dos oito países com maior percentagem, em Portugal o número aumentou muito entre 2010 e 2015, uma tendência que se verificou também em países como França e na Grã-Bretanha.

No que toca à percentagem de mães adolescentes, há grandes diferenças entre os países com valores mais altos e mais baixos. Por exemplo, na Suíça é de menos de 1% e na Roménia de mais de 10%.

São vários os paralelos que se podem fazer entre as piores condições económicas e o aumento de certos indicadores. O estudo debruça-se também sobre o peso das crianças à nascença, que pode indicar malnutrição da mãe durante a gravidez. Aqui, Portugal está entre os países com piores indicadores, a par de Chipre, Bulgária e Grécia.

Finalmente, ainda segundo este documento as francesas e as espanholas são as mulheres que mais fumam durante a gravidez.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 19 feridos em atropelamento na Polónia

UE: uma em cada quatro crianças em risco de pobreza

Mais de 10 milhões de crianças foram obrigadas a abandonar as suas casas em 2023