Última hora

Famílias ucranianas preocupadas com militares capturados

Famílias ucranianas preocupadas com militares capturados
Tamanho do texto Aa Aa

Os familiares dos militares ucranianos capturados pela Rússia no Estreito de Querche estão preocupados com o destino dos marinheiros.

Viktor Soroka, pai de um dos militares que estava na embarcação "Berdyansk", um dos três navios militares apreendidos pela Rússia a 25 de novembro, disse à Radio Free Europe que não sabe onde está o filho.

Pai: "Ontem, Vasyl aproveitou uma oportunidade e telefonou à esposa e disse algumas coisas: que está vivo, saudável, pernas e mãos estão bem. Foi isso. Nem lhe deu os parabéns pelo aniversário que ela celebrou ontem."

Repórter: "Provavelmente ele não queria dizer."

Pai: "Acho que apenas disse o que os serviços secretos russos permitiram".

Repórter: "Você sabe que tipo de ferimentos ele tem?"

Pai: "Não sei. Só sei que está ferido e fez uma cirurgia. Não sei mais nada."

A correspondente da Euronews em Moscovo, Galina Polonskaya, perguntou ao Presidente da Comissão de Relações Externas do Conselho da Federação Russa, Konstantin Kosachev, sobre o futuro dos marinheiros ucranianos.

"Haverá uma investigação, haverá julgamentos, porque estamos a falar de uma violação da legislação russa. É por isso que as tripulações foram detidas e presas. Depois, o tribunal decidirá. Como cidadão da Federação Russa, eu preferiria que as tripulações voltassem para a Ucrânia," afirmou Konstantin Kosachev.

"Há regras, tudo o que tem de ser feito é segui-las. Não há tentativas da Rússia de bloquear o Estreito de Querche, nenhuma tentativa da Rússia de conseguir qualquer militarização unilateral do Mar de Azov a seu favor. É completamente óbvio que, se a Ucrânia, por si só ou com a ajuda de seus aliados, de alguma forma tentar resolver os problemas por meios militares, tudo se transformará numa derrota militar," declarou Kosachev

Moscovo capturou 24 militares e apreendeu três embarcações da marinha ucraniana, no domingo, no estreito de Querche, entre os mares Negro e Azov.

Alguns oficiais detidos apareceram na TV estatal russa, na terça-feira, admitindo ser parte de uma provocação planeada. Kiev denunciou o que descreveu como confissões forçadas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.