Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Macron rejeita estado de emergência

Macron rejeita estado de emergência
Direitos de autor
REUTERS/Stephane Mahe
Tamanho do texto Aa Aa

Na capital francesa as equipas de limpeza já estão a reparar os estragos provocados no Arco do Triunfo pelas manifestações dos coletes amarelos.

"Penso que existem alternativas ao estado de emergência"

Nicole Belloubet Ministra da Justiça, França

Durante o fim-de-semana, as forças da ordem viram-se a braços com o que alguns já descrevem como as manifestações mais violentas desde o maio de 1968.

O presidente francês, Emmanuel Macron, convocou uma reunião extraordinária do executivo e abriu a porta a negociações entre o primeiro-ministro e os líderes dos manifestantes.

O presidente visitou ainda os locais dos confrontos que resultaram em mais de uma centena de feridos, incluindo 23 polícias e cerca de 400 detenções.

Houve igualmente quem levantasse a possibilidade do presidente decretar o estado de emergência.

No entanto, a ministra da Justiça rejeitou a ideia.

"Não penso que estamos nesse ponto, penso que existem alternativas ao estado de emergência", adiantou Nicole Belloubet, ministra da justiça.

Na origem dos protestos está o aumento dos impostos sobre o combustível. Os manifestantes contestam igualmente o aumento do custo de vida em geral.

O presidente afirma que não aceita a violência e que está aberto a ideias sobre a aplicação da taxa sobre os combustíveis.