Última hora

Macron rejeita estado de emergência

Macron rejeita estado de emergência
Direitos de autor
REUTERS/Stephane Mahe
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na capital francesa as equipas de limpeza já estão a reparar os estragos provocados no Arco do Triunfo pelas manifestações dos coletes amarelos.

"Penso que existem alternativas ao estado de emergência"

Nicole Belloubet Ministra da Justiça, França

Durante o fim-de-semana, as forças da ordem viram-se a braços com o que alguns já descrevem como as manifestações mais violentas desde o maio de 1968.

O presidente francês, Emmanuel Macron, convocou uma reunião extraordinária do executivo e abriu a porta a negociações entre o primeiro-ministro e os líderes dos manifestantes.

O presidente visitou ainda os locais dos confrontos que resultaram em mais de uma centena de feridos, incluindo 23 polícias e cerca de 400 detenções.

Houve igualmente quem levantasse a possibilidade do presidente decretar o estado de emergência.

No entanto, a ministra da Justiça rejeitou a ideia.

"Não penso que estamos nesse ponto, penso que existem alternativas ao estado de emergência", adiantou Nicole Belloubet, ministra da justiça.

Na origem dos protestos está o aumento dos impostos sobre o combustível. Os manifestantes contestam igualmente o aumento do custo de vida em geral.

O presidente afirma que não aceita a violência e que está aberto a ideias sobre a aplicação da taxa sobre os combustíveis.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.