A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Milícias paramilitares aumentam poder no Rio de Janeiro

Milícias paramilitares aumentam poder no Rio de Janeiro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Percorrem as ruas fortemente armados e exercem um poder paralelo e sem travão da justiça brasileira.

É cada vez maior o número de grupos paramilitares que existem no Rio de Janeiro.

Habitualmente associados à extorsão e a execuções sumárias, estas milícias estão a evoluir.

O controlo de sistemas de vigilância e envolvimento em contrabando mostram que estes grupos paramilitares já não querem ser apenas atores secundários no Rio.

Para o deputado federal Marcelo Freixo, estas milícias criaram já um modelo de negócio muito lucrativo

"A milícia tem cabeça para o negócio e para a política. E ela transforma o domínio territorial em domínio eleitoral, elegendo senador, governador, deputado", afirma.

Já o investigador da polícia Maurício Demétrio compara mesmo a ascensão destas forças a um cancro. Pouco a pouco, vão corroendo a autoridade e agora estão até a assumir o domínio de negócios legítimos.

"É como um cancro, não para. A milícia está a atacar tudo, inclusive coisas legais, está a tomar conta de comércio legal", frisa.

Vinganças e execuções deixam um rasto de cadáveres na cidade. Um dos mais mediáticos foi o assassinato da ativista Marielle Franco, em março, e cuja autoria permanece por identificar.

Mas o general Richard Nunes, secretário de segurança do Rio, encontra semelhanças deste caso com a ação dos grupos paramilitares.

"Esse tipo de crime, com o nível de abordagem que foi feita, a precisão do disparo, é próprio de grupos que têm uma certa familiaridade com este tipo de crimes", sublinha.

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, expressou ao longo da carreira política a sua simpatia pela atividade de defesa destes grupos. A partir de 1 de janeiro, terá como presidente de decidir se estas milícias ainda são boas ou se representam uma ameaça.