Última hora

Última hora

O estado do comércio internacional em 2018: três guerras e um acordo

O estado do comércio internacional em 2018: três guerras e um acordo
Tamanho do texto Aa Aa

"As guerras comerciais são boas e fáceis de vencer!"

"As tarifas são as melhores!" "Somos o 'mealheiro' que está a ser roubado."

E finalmente: "Eu sou um homem de tarifas! Quando vêm pilhar a grande riqueza da nossa nação, quero que paguem pelo privilégio de o fazer. (...) Façam a América rica outra vez!"

Estes são alguns dos tweets com que Donald Trump iniciou em 2018 uma guerra comercial em grande escala. O presidente norte-americano anunciou a retirada dos EUA do NAFTA-Tratado Norte-Americano de Comércio Livre, impôs taxas alfandegárias elevadas sobre produtos oriundos da União Europeia e impôs direitos aduaneiros sobre bilhões de dólares em importações da China.

A batalha da China

Durante o ano efetuaram-se várias rondas de negociações comerciais e uma série de tarifas retaliatórias foram impostas entre a China e os Estados Unidos. Só quando os os líderes dos dois países se sentaram frente a frente na cimeira do Grupo dos 20 na Argentina, é que os mercados mostraram algum otimismo relativamente ao progresso das negociações.

A frente europeia

Foi também com moderado otimismo que os mercados reagiram ao encontro de Donald Trump e Jean Claude Juncker no verão. O Presidente da Comissão Europeia deslocou-se a Washington quando os EUA anunciaram a imposição de tarifas alfandegárias sobre o aço e o alumínio e ameaçaram impor também direitos alfandegários sobre a indústria automóvel.

Um acordo de paz após a morte ao NAFTA

O único acordo de comércio assinado pelo Presidente dos EUA em 2018 foi o novo Acordo EUA-México-Canadá, que substituíu o NAFTA-Tratado Norte-Americano de Comércio Livre após a retirada dos EUA.

Alcançou-se assim um acordo comercial por três conflitos, o que em balanço não foi suficiente para reanimar a economia global. Em 2018, crescimento económico desacelerou.

No seu discurso na biblioteca do Congresso dos Estados Unidos em Dezembro, a diretora do Fundo Monetário Internacional Christine Lagarde lançou um apelo à comunidade internacional para que repense a cooperação internacional e construa aquilo a que chamou “uma nova forma de multilateralismo”.

"Mais do que nunca, pelo menos, como foi demonstrado em 2008, o que acontece numa nação pode ter impacto em todas as nações. Desde as armas de destruição em massa, à segurança cibernética, ao sistema financeiro global e interconectado, muitos dos nossos atuais desafios não reconhecem fronteiras. Por isso, quando o apoio à cooperação internacional falha, devemos recordar a lição que os Estados Unidos e seus aliados ensinaram ao mundo nos últimos 75 anos, que é uma grande lição: a Solidariedade é interesse próprio," afirmou.

O ano de 2018 será lembrado como um ano de tensões comerciais e conflitos. Espera-se que 2019 seja um ano de diálogo e cooperação comercial renovada.