EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Bruxelas receia presidência romena da UE

Bruxelas receia presidência romena da UE
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia manifesta dúvidas quanto à capacidade da Roménia para assumir a presidência da União Europeia. O semestre romeno começa agora.

PUBLICIDADE

A presidência da União Europeia passa esta terça-feira para as mãos da Roménia e nunca houve tantas dúvidas em Bruxelas sobre a capacidade de um Estado membro para assumir essa tarefa.

Jean-Claude Junker diz abertamente que "o governo de Bucareste ainda não percebeu o que significa presidir ao bloco europeu". Em entrevista ao jornal alemão Die Welt, Junker acrescenta: "Uma ação prudente também requer disposição para ouvir os outros e disposição para colocar as próprias preocupações em segundo plano. Eu tenho algumas dúvidas sobre isso. "

A ativista anti-corrupção e antiga alta funcionária do ministério romeno da justiça, Laura Stefan, afirma: "Os líderes romenos estão exclusivamente obcecados com seus próprios problemas legais, como não irem para a prisão. Temos um governo que tem apenas uma prioridade que é manter os líderes políticos fora da cadeia, manter as suas fortunas nos bolsos, em vez de na propriedade do Estado. Penso que essa é a principal preocupação da União Europeia com a Roménia".

A corrupção, a instabilidade política no país, mas também as tensões crescentes entre as autoridades romenas e Bruxelas desacreditam a capacidade de Bucareste a emergir como a liderança de um bloco que se pretende compacto.

A Roménia recebe a presidência das mãos da Áustria e deverá passá-la à Finlândia no final do mês de junho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes assinalam no Twitter desafios para a Europa em 2019

Escândalo em lares de idosos e deficientes faz cair dois ministros

Co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus não descarta apoio ao PPE após eleições