A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Discurso de Trump desaponta migrantes

Discurso de Trump desaponta migrantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Enquanto o presidente norte-americano aguarda que o Congresso liberte o dinheiro para construir um muro na fronteira com o México, os migrantes que se encontram em abrigos na cidade mexicana de Tijuana, e aguardam por uma oportunidade para chegar aos Estados Unidos, dizem-se desapontados com a retórica de Donald Trump usada num discurso na televisão.

"Não sei a que se refere quando diz que somos um perigo para os Estados Unidos," declara Wendy Munguia, migrante de El Salvador.

"Não vamos lá roubar, queremos trabalhar, ajudar a continuar a construir o país com o nosso esforço. Ajudar a melhorar a economia," afirma Salomon Lopez, migrante da Guatemala.

Usando uma linguagem contundente para conseguir apoio público, o presidente republicano diz que os imigrantes ilegais e as drogas que entram pela a fronteira sul representam uma séria ameaça à segurança americana.

"A situação não é tão grave quanto ele diz. Atravesso a fronteira todos os dias e não há sinais de vandalismo, de roubos ou assaltos, não há nada, Então, não entendo por que é que ele está a tentar provocar medo no país ao dizer essas coisas." revela Liliana Losoia, habitante de Tijuana.

"Enquanto os salários forem mais altos nos Estados unidos do que no México, haverá sempre pessoas a atravessar. Podem fazer um muro com 1 quilómetro de altura que as pessoas vão continuar a tentar atravessar a fronteira," coinsidera Martin Contreras, habitante de Tijuana.

Após 18 dias de paralisação parcial do governo, provocada pela intenção de cumprir a promessa eleitoral de construir uim muro na fronteira com o México, Donald Trump fez um discurso televisivo e parte dos eleitores continua fiel ao presidente.

"Eu não vi nenhum anúncio. Eu estava, realmente, à espera de um. Havia rumores de que ele iria falar sobre várias questões ligadas à fronteira. Mas foi uma explicação. Eu vi uma argumentação lógica e eu apoio isso," declara a norte-americana Jeneria Lewis.

"Quando ele fala de um muro, eu considero que é segurança da fronteira. Há diferentes facetas na segurança nas fronteiras, mas nós definitivamente precisamos disso. Então, eu dou-lhe o meu apoio em 100 por cento," considera o norte-americano Brandy Buntin.