Última hora

Rahaf, a jovem que quer libertar as mulheres sauditas

Rahaf, a jovem que quer libertar as mulheres sauditas
Tamanho do texto Aa Aa

É a primeira entrevista de uma mulher livre. Finalmente em segurança no Canadá, país que lhe ofereceu asilo, Rahaf Mohammed al-Qunun, de 18 anos, conta como foi crescer na Arábia Saudita e, sobretudo, enfrentar a própria família.

As mulheres sauditas são tratadas como escravas.

Rahaf Mohammed al-Qunun Jovem saudita refugiada no Canadá

"Fecharam-me num quarto durante seis meses só porque cortei o cabelo. Fiquei com um ar mais masculino e o Islão não permite que uma mulher se pareça com um homem. Isso justificou mais violência física por parte da minha mãe e do meu irmão", revela.

A família de Rahaf renegou-a publicamente depois de a jovem ter fugido para Banguecoque, onde se fechou num quarto de hotel até o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, a resgatar.

"As mulheres sauditas são tratadas como escravas. Não podemos tomar nenhuma decisão relativamente ao casamento, aos nossos estudos, aos nossos empregos", explica.

Rahaf revela que pensou várias vezes em suicidar-se para escapar. Hoje em dia, pensa em partilhar a sua experiência para ajudar outras mulheres a fugirem da Arábia Saudita.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.