Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Estados Unidos e União Europeia apertam cerco a Nicolás Maduro

Donald Trump e União Europeia apertam cerco a Nicolás Maduro
Donald Trump e União Europeia apertam cerco a Nicolás Maduro -
Direitos de autor
REUTERS/ JIM YOUNG// Miraflores Palace// Inquam Photos/Octav Ganea
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos têm sobre a mesa uma eventual intervenção militar na Venezuela, revelou este domingo o Presidente americano, numa entrevista ao programa "Face the Nation", da CBS.

A União Europeia anunciou a criação de um Grupo de Contacto Internacional (GCI) para a Venezuela após a reunião informal de ministros dos Negócios Estrangeiros dos "28" realizada sexta-feira em Bucareste.

A primeira reunião deste GCI, que integra oito Estados-membros (Portugal, Espanha, Alemanha, França, Itália, Holanda, Suécia e Reino Unido) e ainda os latino-americanos Bolívia, Costa Rica, Equador e Uruguai, vai realizar-se quinta-feira (07 de fevereiro) em Montevidéu.

O objetivo do GCI é "criar condições favoráveis para um processo pacífico que permita aos venezuelanos determinar o futuro político do país através da realização de eleições livres, transparentes e credíveis, em linha com a Constituição do país", lê-se numa nota conjunta assinada pela Alta Representante e Vice-presidente da UE, a italiana Federica Mogherini, e o Presidente do Uruguai, Óscar Tabarez.

A chefe da diplomacia europeia partilhou ainda, este domingo, um texto no blogue pessoal abordando a discussão europeia em torno da Venezuela e a conversa que teve terça-feira com o homólogo norte-americano Mike Pompeo.

Parte integrante do GCI, a ministra francesa dos Negócios Estrangeiros falou também da Venezuela numa entrevista ao programa "Le Grand Juri", numa parceria entre a RTL, o LCI e o jornal Le Figaro.

"A eleição do senhor Maduro em maio último foi uma farsa. Uma ficção eleitoral. O que o senhor Maduro tem respondido é que vai organizar eleições legislativas, donde se subentende que pretende desembaraçar-se do Presidente do Parlamento, o senhor Guaidó, que é justamente apoiado pelos manifestantes. (...) Se a partir de agora, o senhor Maduro não se comprometer a organizar eleições presidenciais, nós consideraremos que o senhor Guaidó terá legitimidade para as organizar no lugar dele", afirmou Nathalie Loiseau.

Na entrevista à CBS, Donald Trump revelou também ter rejeitado a reunião que lhe havia sido pedida "há alguns meses" pelo homólogo Nicolás Maduro.

O presidente dos Estados Unidos justificou a recusa com o argumento de que "o processo já vai muito avançado" e "está a dar resultado."

"Decidi na altura dizer 'não' porque têm vindo a acontecer muitas coisas horríveis na Venezuela. Era o país mais rico de todos naquela parte do mundo. Agora, vê-se a pobreza, a angústia, o crime e tudo o que está ali a acontecer", acrescentou Trump perante a jornalista Margaret Brennan.

Quanto ao autoproclamado presidente venezuelano, Juan Guaidó anunciou a criação de uma aliança internacional de ajuda humanitária e irá exigir às forças armadas a permissão da entrada dessa ajuda.

Guidó revelou ainda o pedido à Europa de "proteção dos ativos da Venezuela" até ao "restabelecimento da democracia e da liberdade no país."