EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Maduro diz estar a preparar-se para a guerra civil

Maduro diz estar a preparar-se para a guerra civil
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nicolas Maduro rejeita as pressões internacionais. Numa entrevista ao canal espanhol "La Sexta" diz que rejeita o ultimato dos países europeus e que Donald Trump terá sangue nas mãos se existir uma guerra civil, para a qual diz já estarem a ser mobilizadas, as pessoas.

PUBLICIDADE

Rejeita o ultimato dos países Europeus e avisa Donald Trump terá sangue nas mãos, Nicolas Maduro rejeita as pressões internacionais e diz ainda que está a mobilizar os que o apoiam para a guerra civil.

A posição do presidente da Venezuela ficou expressa numa entrevista dada ao canal "La Sexta".

"As pessoas já estão se a armar do ponto de vista profissional, institucional e constitucional. Se quer a paz, como diz um velho ditado, prepare-se para a guerra. Eu gosto de dizer de outra forma: 'Se você quer paz, prepare-se para defendê-la ". Estamos a preparar para defender o direito à paz", declarou Maduro, um dia antes de expirar o prazo, estabelecido por vários países europeus para serem realizadas eleições justas.

No dia do 20º aniversário da chegada ao poder de Hugo Chavez, no sábado, milhares de pessoas voltaram a sair às ruas para protestar contra maduro e expressar o apoio a Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente da Venezuela, faz duas semanas. O lado do presidente também saiu às ruas.

Maduro insistiu em culpar o exterior pela grande maioria dos problemas políticos, económicos e sociais do país e rejeita os planos do conselheiro de Trump, John Bolton, para enviar ajuda humanitária para o povo venezuelano, considerando um pretexto para uma intervenção militar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Braço-de-ferro humanitário entre Guaidó e Maduro

Estados Unidos e União Europeia apertam cerco a Nicolás Maduro

Juan Guaidó espera mais apoio entre países europeus e nos militares