Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Braço-de-ferro humanitário entre Guaidó e Maduro

Apoiantes do líder da Assembleia Nacional num protesto contra Maduro
Apoiantes do líder da Assembleia Nacional num protesto contra Maduro -
Direitos de autor
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
Tamanho do texto Aa Aa

Está em marcha o plano do presidente interino Juan Guaidó de ajuda humanitária internacional para a Venezuela, mas o braço-de-ferro com o presidente eleito Nicolás Maduro ameaça bloquear a entrada no país de alimentos e medicamentos.

O sucessor de Hugo Chavez desconfia que a ajuda humanitária internacional seja apenas uma capa para uma intervenção militar estrangeira no país, uma opção que o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já admitiu ser possível.

O líder da Assembleia Nacional e agora autoproclamado chefe de Estado interino, reconhecido inclusive pela maior parte da União Europeia, insistiu na urgência da ajuda, alega haver 300 mil pessoas em perigo de vida e apelou aos militares venezuelanos para se afastarem de Maduro e se colocarem "ao lado da Constituição."

"Se queremos construir o futuro, agora é o momento. Já o dissemos clara e diretamente às forças armadas. Sempre que tenho oportunidade, digo-lhes diretamente, com respeito e firmeza, porque é cada vez mais urgente a participação deles", expressou Juan Guaidó, após uma reunião na Fedecámaras (Federação de Câmaras e Associações de Comércio e Produção da Venezuela), onde debateu com empresários os primeiros passos para "pôr fim à usurpação e começar o governo de transição."

Três pontos de recolha

Guaidó pretende que a recolha de ajuda decorra na cidade fronteiriça colombiana de Cúcuta, na brasileira Boavista e ainda num terceiro posto numa ilha das Caraíbas.
Os Estados Unidos, históricos opositores do "chavismo" e dos primeiros a reconhecer Guaidó como presidente interino, já enviaram alimentos e medicamentos para a Colômbia, cuja fronteira estará a ser controlada por militares fiéis a Maduro.

Guaidó espera começar a entregar a ajuda humanitária ainda esta semana, com prioridade para os mais necessitados, esperando fazer chegar os medicamentos e os alimentos a cerca de 20 mil venezuelanos e a pelo menos cinco hospitais. "Este é um problema humanitário", sublinhou Guaidó numa entrevista à emissora colombiana Blu Radio.