Última hora

Greve fecha 90% das escolas e grande parte da Administração Pública

Greve fecha 90% das escolas e grande parte da Administração Pública
Tamanho do texto Aa Aa

Os serviços públicos em Portugal estiveram parados ou a trabalhar a meio-gás esta sexta-feira, devido à greve geral da Administração Pública. Depois de uma paralisação parcial na quinta-feira, este foi o dia da grande paragem. À FESAP, afeta à UGT, juntou-se a Frente Comum da Administração Pública, afeta à maior central sindical, a CGTP.

A greve afetou particularmente as escolas: "90% das escolas de todo o país estiveram fechadas. Este dia praticamente sem aulas mostra como os professores e o pessoal não-docente das escolas estão contra o desinvestimento na educação que este governo está a demonstrar", disse Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF, sindicato dos professores igualmente afeto à CGTP. Uma professora em greve diz estar a receber menos do que em 2010, antes do começo da aplicação do plano de austeridade.

Muitos utentes mostram-se incomodados com a greve, mas muitos outros mostram-se solidários com as revindicações dos sindicatos.

A saúde esteve também a trabalhar com muito pessoal de greve. Em muitos hospitais, só funcionaram os serviços essenciais. A revisão das carreiras, congeladas há dez anos, são a principal reivindicação. Se este ano há uma revisão do salário de base, para que esteja coordenado com o novo salário mínimo, só no próximo ano, segundo o governo, é que vai haver um aumento generalizado.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.