Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Lisboa e Lima contra intervenção militar na Venezuela

Lisboa e Lima contra intervenção militar na Venezuela
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal e Peru estão de acordo a saída para a crise na Venezuela passa pelos venezuelanos e não por uma intervenção externa. Opiniões concertadas e proferidas em conferência de imprensa pelo primeiro-ministro português e pelo Presidente peruano durante a visita deste último a Lisboa:

António Costa e Martín Vizcarra reforçaram o apoio a Juan Guaidó, e ao fim da era Maduro, mas é preciso respeitar a voz do povo venezuelano:

Aquilo em que nós fomos claros é que recusamos uma intervenção militar. Não podem vir forças de fora da Venezuela para tratar de diminuir o tempo de retorno da Democracia. Isso tem de ser um processo dos próprios venezuelanos, ao qual nós nos juntamos", esclareceu o chefe de Estado peruano.

"Partilhamos, como tem sido dito pelo governo quer também ontem pelo senhor Presidente da República que a solução dos problemas da Venezuela tem de se encontrar de forma Democrática e, seguramente, pelos próprios venezuelanos e de forma alguma com base numa intervenção militar externa que seria, de todo em todo, inaceitável e contraproducente", afirmou António Costa.

Para além de Portugal também o Brasil, país vizinho da Venezuela e um dos afetados pela crise neste país que levou a um movimento migratório muito expressivo, apoia Juan Guaidó, com o objetivo da realização de novas eleições. Alemanha, França e Reino Unido e EUA, também.