A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

WWF alerta para a urgência de acabar com a poluição de plástico

WWF alerta para a urgência de acabar com a poluição de plástico
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O relatório da World Wide Fund for Nature (WWF) é avassalador. O estudo da organização ambientalista internacional aponta que a humanidade gera cerca de 400 milhões de toneladas de resíduos plásticos a cada ano e mais de 100 milhões de toneladas são encontradas na natureza anualmente.

Se nada for feito, a quantidade acumulada no oceano poderá duplicar até 2030 e poderá atingir, então, 300 milhões de toneladas

Diante desta crise global, a WWF espera que os governos negociem um tratado internacional vinculativo para acabar com esta poluição:

"Há uma oportunidade que é única, de 11 a 15 de março, na Cimeira do Meio Ambiente das Nações Unidas, em Nairobi, África, os Estados vão reunir-se para decidirem se pretendem iniciar ou não as negociações para um tratado para parar a poluição com plástico. Isto permitirá dar a urgência necessária a este problema mundial que é a esta poluição," afirma o responsável do programa Vida dos Oceanos da WWF, Ludovic Frère Escoffie.

Um dos grandes problemas é que fica mais barato produzir plástico a partir do petróleo do que estar a reciclar.

"Temos de legislar, devemos regulamentar, aumentar as fontes de financiamento para aumentar a recolha de resíduos e alcançar 100% de recolha e também aumentar a reciclagem. Devemos incentivar as empresas a partir de um ponto de vista económico sob a forma de compensação -penalização, para ir mais além na utilização de matéria reciclada nos seus produtos," acrescenta Ludovic Frère Escoffie.

O impacto da poluição com plástico na biodiversidade marinha é particularmente impressionante: até hoje, mais de 270 espécies ficaram emaranhadas e mais de 240 ingeriram plástico, incluindo ftalatos, contaminando toda a cadeia alimentar.