Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mais de 350 mortos confirmados em Moçambique

Mais de 350 mortos confirmados em Moçambique
Tamanho do texto Aa Aa

Aldeias devastadas, mais de 350 mortos confirmados e milhares de pessoas desalojadas que procuram comida e abrigo.

Moçambique continua em alerta e a sofrer as consequências da passagem do ciclone idai.

As Nações Unidas (ONU) deixaram, esta terça-feira, o alerta: os próximos 3 dias serão críticos para o país.

Até ao final da semana, são esperadas chuvas fortes nas províncias de Sofala e Manica e há risco elevado de inundações nas zonas urbanas da Beira e do Dondo, as mais afetadas pelo ciclone. Na região, cerca de 500 mil pessoas ficaram sem energia e linhas de comunicação.

AJUDA HUMANITÁRIA

As organizações humanitárias estão a mobilizar ações de ajuda no terreno e a apelar ao envio de donativos.

A UNICEF (Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas) alerta para a situaçâo de cerca de 260 mil crianças, que perderam praticamente tudo e precisam de apoio humanitário. A organização da ONU estima ainda que, para ajudar os três países afetados, sejam necessários quase 18 milhões de euros.

A Cáritas Portuguesa, em articulação com a congénere moçambicana, comprometeu-se com o envio de 25 mil euros.

Também a Cruz Vermelha Portuguesa disponibilizou cinco mil euros do Fundo de Emergência destinado a catástrofes, para o qual está a recolher donativos

O Programa de Alimentação Mundial das Nações Unidas pede cerca de 35 milhões de euros para ajudar o país, numa primeira fase.

A caminho da Beira está também uma equipa portuguesa liderada pelo secretário de Estado das Comunidades, que integra elementos da Proteção Civil, do INEM e do Instituto Camões. O objetivo desta missão é realizar um "diagnóstico rigoroso" e definir os meios necessários para ajudar a população.