Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Sinto-me, também, muito parte da Europa" - Nuno Gomes

 "Sinto-me, também, muito parte da Europa" - Nuno Gomes
Tamanho do texto Aa Aa

A Euronews está a percorrer a Europa para medir o espírito dos cidadãos da União Europeia antes das eleições de maio. Em Portugal, a jornalista Anelise Borges entrevistou o antigo jogador de futebol Nuno Gomes...

Anelise Borges: É um homem muito realizado, um dos maiores futebolistas de Portugal, um símbolo da excelência desportiva tanto portuguesa como europeia. Sente-se mais português ou mais europeu?

Nuno Gomes: Vou ter que ser sincero. Sinto-me mais português do que europeu, mas ultimamente sinto-me também muito parte da Europa. Acho que cada vez mais tendemos a esquecer o país de que fazemos parte e a dizer que somos europeus. Tenho sentido isso ao longo dos últimos anos. Também porque tenho viajado muito e essa facilidade de circular dentro da Europa também nos faz sentir em casa noutros países.

AB: Acredita que os problemas que a Europa enfrenta, neste momento, e refiro-me à subida do populismo é culpa dos políticos? Os políticos têm de fazer mais para se aproximarem das pessoas. Vocês, as estrelas do futebol, são muito próximos das pessoas...

NG: Creio que, se calhar, se as pessoas tivessem mais a noção daquilo que os políticos fazem, talvez fossem mais condescendentes em relação aos políticos, porque, muitas vezes, a opinião que temos geral sobre os políticos e a própria política não é a realidade, não corresponde à realidade e, se calhar, se os próprios políticos se dessem mais a conhecer o seu trabalho, o seu dia-a-dia, como, se calhar, no futebol acontece, as pessoas passariam a olhar para os políticos e para a política de outra maneira.

AB: O que é que pensa que vai acontecer com a Europa nos próximos meses e anos? Acredita que caminhamos para o reforço da União Europeia ou que os países pensam que agora é cada um por si?

NG: Eu acho que a União Europeia vai continuar a crescer, vai ser forte. Não me parece ou espero que seja o que aconteça, que não haja países a querer sair, que não haja divisões, mas sim que os países possam resolver os seus problemas, se existem entre eles e que possam todos rumar para o mesmo sentido, porque todos nós tínhamos a ganhar com isso.