EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Tusk aceita adiamento do Brexit, com condições

Tusk aceita adiamento do Brexit, com condições
Direitos de autor REUTERS/Yves Herman
Direitos de autor REUTERS/Yves Herman
De  Ricardo FigueiraMeabh McMahon
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Conselho Europeu quer ver uma decisão do lado de Londres. May não quer adiar o Brexit para lá de 30 de junho.

PUBLICIDADE

Donald Tusk aceita prolongar o prazo para o Brexit, mas Londres tem de mostrar sinais de entendimento. Foi a mensagem do presidente do Conselho Europeu, em resposta à carta de Theresa May: "Acredito que é possível haver uma curta extensão, mas é na condição de haver um voto positivo sobre o acordo de saída da União Europeia na Câmara dos Comuns. A duração desse alargamento é uma questão em aberto".

Theresa May não pode levar o acordo sobre o Brexit à votação na Câmara dos Comuns pela terceira vez na terça-feira,

"Nesta curta intervenção, Donald Tusk disse que não via necessidade de ter uma cimeira de emergência sobre o Brexit na próxima semana, mas havia a opção de lançar um convite aos chefes de Estado e governo dos 27. Isso significa que a decisão dos 27 Estados-membros da União Europeia sobre se aceitam, ou não, essa extensão, pode não chegar manhã nem sexta-feira. É algo sobre o qual vão precisar de tempo para discutir, preparar, entrar em diálogo e conversações com os governos e, claro, isso é algo que os diplomatas precisam de preparar", conclui a repórter da euronews em Bruxelas Meabh McMahon.

Depois de Tusk, foi a vez de Theresa May ler uma declaração pública, onde disse que não está disposta a adiar o Brexit para lá do dia 30 de junho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Reino Unido vai "redefinir" relações com a UE, promete Starmer

Eleitores britânicos vão escolher um novo governo esta quinta-feira

Eleições no Reino Unido: Partido Trabalhista quer acabar com o plano de Ruanda