Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O papel de Trieste na Nova Rota da Seda

O papel de Trieste na Nova Rota da Seda
Tamanho do texto Aa Aa

Um acordo com Roma, mas de olhos postos na Europa: os chineses em Trieste acreditam que Pequim tem uma imagem clara dos seus objetivos em Itália e o porto da cidade, na costa nordeste do país, deverá desempenhar um papel chave no quadro do projeto da Nova Rota da Seda.

Qian Zhang, representante da comunidade chinesa em Trieste: "Nos últimos anos, a China tem tentado aumentar ainda mais as exportações, face à desaceleração do crescimento interno. A Nova Rota da Seda é promovida pelo governo chinês para melhorar o acesso ao mercado europeu."

Trieste tem uma posição geográfica estratégica. No norte do Adriático, é uma plataforma onde os contentores podem ser transferidos de navios para comboios e chegar ao coração da Europa e até ao Mar Báltico. Um projeto com grande interesse económico, mas que obrigará a Itália a gerir com grande destreza a relação com a China.

Federico Pacorini, empresário de logística: "Espero que a China não esteja apenas de olhos na Itália por considerar que é o calcanhar de Aquiles da Europa. Espero que não esteja a pensar que pode obter na Itália um papel hegemónico que não conseguirá obter noutro sítio."

Em Itália, os portos são propriedade pública e, legalmente, não podem ser vendidos. O Estado pode apenas oferecer concessões a entidades privadas. O diretor do porto de Trieste considera que os produtos chineses não representam uma grande ameaça para os fabricantes locais.

Zeno D'Agostino, diretor do porto de Trieste: "Tanto quanto sei, os chamados bens chineses têm marcas europeias. Noventa por cento dos produtos chineses importados pela Europa têm as nossas marcas."

Trieste está a expandir a sua plataforma logística e, para muitos italianos, "domar o dragão" é um risco que vale a pena assumir.