Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Venezuela inflama relações entre Washington e Moscovo

Venezuela inflama relações entre Washington e Moscovo
Tamanho do texto Aa Aa

Os militares russos que chegaram a Caracas "não vão participar em qualquer ação militar". É a agência russa Interfax quem o afirma, enquanto a porta-voz do ministro russo dos Negócios Estrangeiros responde assim a Washington:

"O lado russo não violou nenhuma regra: nem os acordos internacionais, nem as leis internas da Venezuela, a Rússia não altera o equilíbrio de poder na região, a Rússia não ameaça ninguém, ao contrário das pessoas em Washington cujas declarações acabaram de ser mencionadas".

Maria Zarakhova, responde a Donald Trump que, no momento em que recebia, na sala oval, Fabiana Rosales, a esposa de Juan Guaidó instou a Rússia a retirar-se da Venezuela, com a ameaça de deixar "todas as opções em aberto se isso não acontecer."

No país, Guaidó lançou um novo apelo aos venezuelanos para que saiam à rua no próximo fim de semana.

"Sabem o que diz o regime? Olhem, ficámos outra vez sem luz e as pessoas não dizem nada. As pessoas estão a ficar fartas disto, estão a a costumar-se. Ora vão ter uma surpresa. Não só iremos protestar este sábado, mas de cada vez que houver um apagão. O que faremos a partir de agora? Vamos exigir os nossos direitos. Este sábado, vamos estar nos sítios e horas definidas em todos os estados.

A cidade de Caracas começou esta quinta-feira a recuperar de mais um apagão, mas a eletricidade só foi restabelecida nos bairros onde se situam os serviços públicos. A maior parte do país continua às escuras. A Venezuela sofreu na segunda-feira o segundo apagãos dos últimos 30 dias.