Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

UE condena "decisão ilegal" contra Guaidó

UE condena "decisão ilegal" contra Guaidó
Direitos de autor
REUTERS/Manaure Quintero
Tamanho do texto Aa Aa

Juan Guaidó não reconhece a resolução da agência controlada pelo governo que o demitiu do cargo de presidente da Assembleia da Venezuela e o baniu de cargos públicos durante 15 anos.

Num comício, em Caracas, pediu novos protestos, para este sábado, contra Nicolás Maduro e afirmou que não existe qualquer proibição. "O que existe é um povo que está determinado a recuperar a liberdade e o único órgão que pode nomear um fiscal é o parlamento legítimo".

O governo venezuelano acusa Guaidó de não explicar a origem dos fundos que usou para pagar as viagens ao exterior, deslocações que fez enquanto presidente da assembleia. O autoproclamado presidente interino considera que esta decisão acontece porque viajou pelo mundo e porque foi recebido por vários chefes de Estado.

A União Europeia já condenou a posição das autoridades da Venezuela e classificou de “decisão ilegal” a de impedir o presidente da Assembleia Nacional de exercer cargos públicos durante um período de 15 anos.

Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia, voltou a defender que a única solução para a crise na Venezuela passa pela realização de eleições "livres e credíveis".