Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mais de 113 milhões de pessoas passam fome no mundo

Mais de 113 milhões de pessoas passam fome no mundo
Direitos de autor
REUTERS/Mike Hutchings
Tamanho do texto Aa Aa

Após a passagem do ciclone Idai, Moçambique é mais um cenário para as operações de socorro do Programa Alimentar Mundial (PAM). A agência pretende ajudar 1,7 milhão de pessoas nos próximos meses.

O diretor do PAM, David Beasley, visitou o país na semana passada e deu o seu testemunho à Comissão Europeia, em Bruxelas, terça-feira, onde também apresentou o Relatório Global 2019 sobre Crise Alimentar.

"Qualquer plantação agrícola está agora podre, destruída. Testemunhei isso em primeira mão, pelo que a insegurança alimentar vai prolongar-se por algum tempo. Este não vai ser um problema de três meses, será preciso, pelo menos, um ano para a recuperação. Pode debater-se o que está a causar as alterações climáticas, mas não se pode debater o impacto atual do fenómenos climáticos extremos”, disse Beasley, em entrevista à euronews.

Regiões e causas

A maioria dos 113 milhões de pessoas com fome aguda no mundo vive em apenas cinco países de África (República Democrática do Congo, Etiópia, Sudão, Sudão do Sul e Nigéria).

Mas o topo da lista é ocupado pelo Iémen, e o Afeganistão e a Síria também figuram entre as oito maiores crises, fazendo da Ásia Ocidental/Médio Oriente a segunda região do mundo mais afetada.

De acordo com o estudo, as principais causas das crises alimentares são:

  • Conflitos, afetando 74 milhões de pessoas
  • Eventos climáticos, com impacto em 29 milhões de pessoas
  • Choques económicos, que afetaram 10 milhões de pessoas

Esta agência da ONU diz que a comunidade internacional deve intensificar os esforços para acabar com os conflitos, empoderar as mulheres e melhorar as infra-estruturas rurais.

Mais ajuda humanitária deve fazer parte da política gerir a migração, alerta David Beasley.

"É preciso acordar! Se não resolvermos as causas destes problemas, o preço a pagar vai ser o dobro. Os números deste delatório não incluem Moçambique, Venezuela ou Coreia do Norte. Estimamos que em 2019, se as coisas continuarem a este ritmo, os números v´ão ser substancialmente piores do que os que temos agora", concluiu.

Para as vítimas do ciclone em Moçambique, Malawi e Zimbabué, o PAM precisa de 174 milhões de dólares, para os próximos três meses. Até agora, só recebeu doações e promessas de 25 milhões.