Última hora

Última hora

UE dividida no pacote sobre transporte rodoviário de mercadorias

UE dividida no pacote sobre transporte rodoviário de mercadorias
Tamanho do texto Aa Aa

Nova legislação sobre as empresas de transporte rodoviário de mercadorias está a dividir a União Europeia. No leste europeu, os operadores e políticos dizem que subir os salários dos motoristas vai tirar do mercado os países com menor capacidade económica.

Já em França, Alemanha ou Bélgica, argumenta-se que o "dumping social" é que leva à perda de competitividade nos países que pagam mais aos seus trabalhadores.

"Um motorista belga é visto como caro na própria Bélgica, com as empresas a tentarem contratar polacos, checos, romenos, húngaros. Fica mais barato porque vêm trabalhar para a Bélgica com contratos feitos na Hungria, Roménia ou na República Checa. Isso é um grande problema", disse, à euronews, Edgard Schroyens, motorista de camião belga.

O pacote da mobilidade, sobre transporte rodoviário de mercadorias, está em discussão no Parlamento Europeu, que analisa varias dezenas de propostas de alteração. A legislação deverá ser votada na quinta-feira.

"Atualmente, os trabalhadores no leste têm condições de trabalho, regras de repouso e salários muito mais baixos do que os motoristas nos países ocidentais. Assim, a leste há maior competitividade, conquistando maior fatia do mercado europeu de transporte internacional", argumentou Dominique Riquet, eurodeputado liberal francês.

"Diga-me como é que um motorista francês poderia viver com os salários pagos a colegas romenos, búlgaros ou gregos? É uma desculpa dizer que estão a lutar por direitos sociais. É uma batalha de capitalistas, não em nome dos trabalhadores, mas para afastar os países do leste e do sul do mercado. Estamos sempre a acusar os chineses, mas na União Europeia os países ocidentais querem fazer o mesmo com os países da Europa central e de leste", disse, por outro ldo, Peter Kouroumbashev, eurodeputado de centro-esquerda búlgaro.