Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Espanha entra em campanha rumo às eleições gerais

Espanha entra em campanha rumo às eleições gerais
Tamanho do texto Aa Aa

Espanha entrou oficialmente em época de campanha eleitoral. Os partidos começaram a apresentar argumentos ao eleitorado, com vista às eleições gerais de 28 de abril.

Para o líder do PSOE, atualmente no governo, o trunfo é o fantasma de um governo de três direitas. Num comício do partido, Pedro Sánchez afirmou que "o que é evidente é que se os três partidos de direita se unem a partir de 28 de abril, o confronto territorial está garantido. A corrupção vai voltar às instituições pela mão de um partido que ainda não se livrou da corrupção, como vimos nestas últimas semanas nos meios de comunicação. E vão voltar os cortes, um retrocesso no estado de bem-estar".

Longe de uma maioria absoluta, os partidos ponderam coligações. À direita, Voxx e Ciudadanos surgem como aliados prováveis do Partido Popular, de Pablo Casado, o principal opositor de Sanchez, seguidor da linha de Rajoy.

"O único partido que pode ganhar a Pedro Sanchez é o Partido Popular. E, juntos, os partidos de centro-direita, que defendem a Constituição, já temos mais voto que o bloco de independentistas, o comunismo e o socialismo. E se temos menos deputados é porque o voto se dispersou", afimou o líder dos Populares.

O receio da direita é uma geringonça à espanhola. Sondagens recentes apontam para uma vitória do PSOE, mas sugerem que a maioria absoluta só será possível através de uma coligação com o Podemos

A grande novidade destas eleições é o Vox. Depois dos bons resultados obtidos na Andaluzia, perspetiva-se o partido nacionalista use as eleições autónomas como trampolim para as gerais.

Caso eleja deputados, será a primeira vez que um partido de extrema-direita assume tamanha representatividade no parlamento desde a queda de Franco, em 1975.