EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Espanha vai ter Legislativas antecipadas

Espanha vai ter Legislativas antecipadas
Direitos de autor REUTERS/Sergio Pérez
Direitos de autor REUTERS/Sergio Pérez
De  Luis Guita
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pedro Sánchez anunciou a realização de eleições antecipadas em Espanha, o governo não resistiu ao chumbo do orçamento de Estado.

PUBLICIDADE

Pedro Sánchez anunciou a realização de eleições antecipadas em Espanha, para 28 de abril, o governo não resistiu ao chumbo do orçamento de Estado.

Oito meses e meio separam o momento em que o líder do Partido Socialista e primeiro-ministro espanhol chegou ao poder após a votação de uma moção de censura contra Mariano Rajoy no Congresso e o dia que essa mesma Câmara o forçou a encurtar o seu mandato.

Apoiado por mais de vinte partidos, Sánchez formou um governo jovem e com uma maioria de mulheres, algo sem precedentes na história democrática de Espanha. Mas, embora tenha sido aplaudido, a imagem do executivo rapidamente se deteriorou com os escândalos que atingiram vários ministros. Dois deles demitiram-se.

No exterior, Sánchez teve o batismo de fogo na cimeira europeia sobre imigração. Angela Merkel ficou, agradavelmente, surpreendida. Pedro Sánchez era um aliado para fortalecer o eixo antixenófobo e promover a solidariedade europeia na distribuição dos refugiados.

Três semanas depois dessa reunião, Espanha abriu as portas ao Aquarius, um navio com mais de 630 migrantes, a maioria originária da África subsaariana, que ninguém queria receber.

Consciente de que sobre a sua cabeça pendia a espada de Dâmocles da independência catalã, que acabaria por lhe passar uma fatura insuportável em troca do seu apoio parlamentar, Sánchez multiplicou as iniciativas para dar um toque social à ação do governo e recompensar os setores mais atingidos por uma década de austeridade orçamentária. Também destinou uma despesa adicional de quase 2.000 milhões de euros à Catalunha, que agora ficou no ar após a rejeição do orçamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanhóis divididos após primeiro debate para as eleições legislativas

Espanha entra em campanha rumo às eleições gerais

Pedro Sánchez nega acordos com nacionalistas para as legislativas