EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Prisão de Assange cria precedente perigoso"

"Prisão de Assange cria precedente perigoso"
Direitos de autor REUTERS/Hannah McKay
Direitos de autor REUTERS/Hannah McKay
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Julian Assange foi detido, na quinta-feira, após ter sido retirado pela polícia britânica da embaixada do Equador em Londres, onde esteve exilado por quase sete anos. Advogados dizem que liberdade de imprensa pode estar em risco.

PUBLICIDADE

Os advogados de Julian Assange afirmam que a prisão do fundador do WikiLeaks abre um precedente que pode prejudicar a liberdade de imprensa.

Assange foi detido, na quinta-feira, após ter sido retirado pela polícia britânica da embaixada do Equador em Londres, onde esteve exilado por quase sete anos.

Os Estados Unidos da América exigem que seja extraditado, acusando-o de pirataria informática e conspiração. Caso seja condenado, o australiano pode incorrer numa pena de até cinco anos de prisão.

"Isto cria um precedente perigoso para organizações de comunicação social e jornalistas na Europa e no mundo. Este precedente significa que qualquer jornalista pode ser extraditado para ser processado judicialmente nos Estados Unidos por ter publicado informações verdadeiras sobre os Estados Unidos", conclui a advogada Jennifer Robinson.

Os advogados de defesa argumentam que caso seja extraditado para os Estados Unidos, Assange poderá ser torturado e executado.

O Governo britânico, contudo, mostrou-se satisfeito com a detenção do fundador do WikiLeaks, como sublinhou o ministro britânico do Interior, Sajid Javid: "Estou satisfeito pela decisão do presidente Moreno e transmito-lhe os agradecimentos do Reino Unido por ele resolver esta situação. As ações do Equador reconheceram que o sistema de justiça criminal do Reino Unido é aquele em que os direitos são protegidos e contrariamente ao que o senhor Assange e os seus apoiantes podem alegar, ele e os seus interesses legítimos serão protegidos ".

A posição do Equador, em relação a Julian Assange começou a mudar após a eleição do atual presidente, em 2017.

Lenin Moreno acusou-o, várias vezes, de tentar desestabilizar e denegrir o seu Governo apesar da proteção de que usufruía.

"Anuncio que o comportamento descortês e agressivo de Julian Assange, as declarações hostis e ameaçadoras da sua organização contra o Equador e, especialmente, a transgressão de tratados internacionais, levaram a situação a um ponto em que o asilo do sr. Assange é insustentável e inviável", referiu o presidente do Equador.

No Reino Unido, pende sobre Julian Assange a acusação de violação de liberdade condicional e fiança por não se ter apresentado à justiça em 2012, quando procurou asilo na embaixada do Equador.

A dois de maio, o fundador do WikiLeaks volta a ser ouvido por um tribunal que poderá decidir-se pela condenação. Assange poderá incorrer numa pena de até 12 meses de prisão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"El País" revela imagens da vida de Assange

William apareceu sem Kate na "Garden Party" de verão do Palácio de Buckingham

Tribunal de Londres decide que Assange pode recorrer da ordem de extradição para os EUA