Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Angolanos desfilam no 1º de Maio com Lei Geral do Trabalho na mira

Angolanos desfilam no 1º de Maio com Lei Geral do Trabalho na mira
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um dia de luta, um dia para sublinhar os direitos dos trabalhadores angolanos e exigir melhores condições de trabalho. O centro de Luanda foi palco do desfile do 1º de Maio, Dia Internacional do Trabalhador, uma manifestação que contou com a participação de milhares de pessoas dos diversos ramos de profissionais.

O evento ganha maior simbolismo face ao elevado desemprego no país. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, 28,8 % dos angolanos em idade ativa estão sem emprego.

No ato organizado pela União Nacional dos Trabalhadores de Angola (UNTA-CS) e a Força Sindical Angolana, foi lida uma declaração. Filomena Soares, da UNTA-CS, anunciou que "as trabalhadoras angolanas e angolanos marcham em todo o mundo, em todo o país, em protesto contra o aumento da precariedade laboral, estimulada pela Lei Geral do Trabalho vigente em Angola".

Um das principais reivindicações é a reforma da lei laboral. Manuel Viage, Secretário-Geral da UNTA-CS explicou que estão a reivindicar a revisão da Lei Geral do Trabalho, porque ela é um fator de instabilidade do emprego e cria disfunções nas relações jurídico-laborais das empresas", disse.

Para a Força Sindical Angolana o desafio é o mesmo. O presidente, Joaquim de Freitas, explicou que "a Lei Geral do Trabalho é 90% a favor do empregador e 10% a defender o trabalhador. Neste momento está a provocar muito desemprego e faz com que, por exemplo, as crianças sejam afetadas no processo de ensino".

Os três anos consecutivos de recessão de Angola dão uma nova dimensão às reivindicações dos trabalhadores enquanto o governo tenta combater o desemprego, um das prioridades declaradas do executivo.