Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": Hungria, comércio e sondagens

"Breves de Bruxelas": Hungria, comércio e sondagens
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A cada vez maior proximidade ao líder da extrema-direita italiana, Matteo Salvini, poderá levar ao afastamento definitivo do Fidesz da família democrata-cristã. O partido no poder na Hungria está suspenso do Partido Popular Europeu, de centro-direita, mas o chefe da diplomacia, Péter Szijjártó, não teme as críticas, como disse em entrevista à euronews.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • A União Europeia poderá apresentar uma queixa contra os EUA na Organização Mundial do Comércio ou aprovar sanções contar este país como forma de proteger as empresas dos Estados-membros a operarem em Cuba, nomeadamente nos setores do turismo e da energia. A ameaça deve-se à decisão do presidente Donald Trump de restaurar a vigência da lei Helms-Burton, que permite aos exilados cubanos exigirem indemnizações, em tribunais norte-americanos, a quem tenha interesses em empresas que foram nacionalizadas após revolução comunista de 1959.
  • Apesar do conflito comercial em vários setores, a União Europeia e os EUA fortalecem a cooperação estratégica na energia. O secretário de Energia dos EUA, Rick Perry, assinou, em Bruxelas, dois acordos de exportação de gás natural liquefeito. As exportações norte-americanas deverão duplicar para 112 mil milhões de metros cúbicos, por ano, tornando-se o terceiro maior fornecedor de GNL da União, depois do Qatar e da Nigéria.
  • O partido Brexit, criado por Nigel Farage, lidera as intenções de voto no Reino Unido, para as eleições europeias (30%). Juntamente com o UKIP (4%), que já foi dirigido por Farage, os eurocéticos deverão obter mais de um terço dos votos, revelam as mais recentes sondagens.