Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Extrema-direita pisca o olho aos jovens europeus

Extrema-direita pisca o olho aos jovens europeus
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sangue novo para uma velha causa. Na Bélgica e em outros países da Europa, a extrema-direita tem vindo a ganhar terreno junto do eleitorado mas é a sedução que tem exercido sobre eleitores mais à esquerda que provocou surpresa. Um assalto à fortaleza da União Europeia, liderado por candidatos como Dries van Langehoves.

"Penso que está tudo em cima da mesa neste momento. É um jogo do tudo ou nada. Por isso é que alguns jovens estão a correr riscos e a associar-se a grupos nacionalistas e organizações de direita", lembra o líder da formação flamenga de extrema-direita Vlaams Belang.

As redes sociais têm desempenhado um papel fundamental na campanha com o discurso a chegar aos mais jovens ainda que o tema se mantenha: a questão da imigração.

"As pessoas que veem para a Europa, da Ásia ou de outros continentes não se consideram completamente europeus. Isso não quer dizer que sejam hostis mas apenas que a identidade, a lealdade não estão completamente presentes", sublinha Kamil Kaminski, apoiante do partido Vlaams Belang.

Na Europa há vários candidatos com menos de 30 anos. Em França, Jordan Bardella é o cabeça-de-lista do Reagrupamento Nacional. Em Espanha o Vox também ascendeu e a tendência manteve-se em Itália, onde o apoio à Liga, entre os jovens de 18 e 34 anos, cresceu 12% desde 2013.

Os mais radicais inspiraram-se na escrita do pensador político Renaud Camus.

"Penso que temos de fazer qualquer coisa, exceto recorrer à violência e agressividade, para tornar os franceses e os europeus conscientes do horror que está a acontecer, que se traduz na mudança do nosso povo e da nossa civilização. Temos de tentar alguma coisa", diz Camus.

O sentimento anti-imigração não é novo, mas regra geral com mais adeptos entre os eleitores mais velhos. Desta vez há uma nova tendência, como constatou Julia Ebner, investigadora no Instituto de Diálogo Estratégico: "A extrema-direita fez um grande esforço para agradar ao público mais jovem. Basicamente fizeram uma operação de rebranding. Em grande parte dos casos em que fizemos análise nas redes sociais e nas campanhas, por exemplo, os partidos de extrema-direita estiveram mais ativos no relacionamento com os utilizadores de redes sociais."

Sondagens mostram que as questões ambientais continuam a preocupar os jovens. Mas para já a imigração ainda continua a dominar.