Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O drama dos refugiados no conflito na Líbia

O drama dos refugiados no conflito na Líbia
Tamanho do texto Aa Aa

Quando a guerra se aproxima demasiado, fugimos, a menos que não nos seja permitido. Esta filmagem amadora mostra migrantes e refugiados num centro de detenção no momento de um ataque alegadamente cometido por milícias líbias que se julga fazerem parte das tropas do marechal Khalifa Haftar e da ofensiva que lançou sobre Tripoli.

Munir e seu filho Murad – de apenas sete anos - viram tudo e dão o seu testemunho à correspondente da Euronews Anelise Borges.

“Pessoas com armas vieram na nossa direção e quiseram levar os nossos telemóveis e o nosso dinheiro. Fomos divididos em 3 grupos. Na primeira sala, eles levaram os telefones e dinheiro. Na segunda sala, onde um grupo de cristãos estava a rezar com o padre, o grupo de homens armados entrou e ordenou que parassem. Eles recusaram. E foi aí que eles começaram a disparar. Entre 18 a 20 pessoas foram feridas por balas. As pessoas começaram a gritar. Eles pegaram nas metralhadoras e encheram a sala de balas ", afirma.

Sete pessoas terão morrido e dezenas ficaram feridas. Estima-se que a Líbia tenha mais de 20 centros de detenção - onde migrantes e refugiados que tentam atravessar ilegalmente a Europa são mantidos, enquanto aguardam por repatriação voluntária ou deportação.

Pelo menos cinco desses centros estão localizados em Tripoli ou na periferia da cidade. E desde 04 de abril estão expostos de forma contínua à escalada do conflito. A Euronews pediu às autoridades líbias o acesso a estes centros para ver por si mesma as condições em que estes homens, mulheres e crianças vivem atualmente.

Para as organizações humanitárias no terreno, a situação é terrível, como conta Sam Turner, chefe da missão dos Médicos Sem Fronteiras para a Líbia.

“Os centros de detenção não foram construídos para abrigar pessoas. Na maior parte das vezes são armazéns que foram reaproveitados para o armazenamento de pessoas em vez de mercadorias. Às vezes chamamos as celas de hangares, por serem salas grandes, longas e abertas, onde centenas de pessoas são acomodadas e trancadas lá dentro. As pessoas estão a dormir no chão de cimento, às vezes com um colchão muito fino, e com um acesso escasso ao mundo exterior.”

Depois de sobreviverem ao ataque, Munir e a família escaparam do centro de detenção e receberam refúgio nesta escola transformada em abrigo no centro de Tripoli. No entanto, esta família natural da Eritreia não tem ideia do que vai acontecer a seguir.

“Não posso escolher um país. Eu iria para qualquer país que me aceitasse. Um país seguro onde os meus filhos possam ter uma educação. A minha única ambição é chegar a um país seguro onde posso falar e expressar-me de forma livre. Mas se a escolha fosse minha, iria para os Estados Unidos, Canadá ou Inglaterra. Se dependesse de mim, iria para o Canadá", confessa.

Por enquanto, o Canadá é um sonho distante. Se e quando a batalha por Tripoli terminar, e esta escola reabrir para os estudantes, Munir e a família serão provavelmente presos outra vez. E continuarão a enfrentar as agruras de uma realidade que desejam que não fosse a deles.