This content is not available in your region

Testes de ADN confirmam restos mortais de Jonas Savimbi

Access to the comments Comentários
De  João Paulo Godinho
Testes de ADN confirmam restos mortais de Jonas Savimbi

O ministro de Estado de Angola, Pedro Sebastião, anunciou esta segunda-feira que os testes de ADN feitos por entidades independentes aos restos mortais de Jonas Savimbi, exumados a 31 de janeiro, confirmaram tratar-se do antigo líder da UNITA, morto em combate em 2002.

Numa conferência de imprensa na presença de familiares de Savimbi, de representantes da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e das quatro instituições que procederam aos testes, incluindo uma de Portugal, o governante explicou que o Executivo vai entregar os restos mortais a 28 deste mês na província do Bié.

A cerimónia de enterro dos restos mortais do líder fundador da UNITA vai agora realizar-se em 01 de junho em Lopitanga, anunciou já o presidente do partido, Isaías Samakuva, que declarou ainda um mês de luto.

"De facto, além de explicações gerais dadas por especialistas de reconhecida experiência, que se ocuparam dos exames, o relatório escrito do Laboratório de Genética Forense da EAAF, equipa argentina de antropologia forense conclui que a probabilidade de identidade é superior a 99,99%", explicou Samakuva.

Também a família de Jonas Savimbi reconheceu os resultados hoje apresentados, numa declaração feita pelo filho e deputado da UNITA Rafael Savimbi.

"Felizmente houve esta abertura. Os pequenos altos e baixos nunca estiveram ausentes. Mas devemos dizer que chegamos a este ponto de não recuo, e precisamos agora de avançar", sublinhou Rafael Savimbi, acrescentando: "Nas minhas intervenções, sempre disse que esta é uma questão de reconciliação, um gesto importante para a reconciliação. É uma questão familiar, mas é uma questão também política, com a reconciliação nacional, para que o país avance".

Jonas Savimbi, líder fundador da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), foi morto em combate pelas forças armadas governamentais em 22 de fevereiro de 2002, na comuna do Lucusse, província do Moxico, e o seu corpo esteve desde então sepultado no cemitério municipal do Luena, capital da província.

Outras fontes • LUSA