Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Breves de Bruxelas": O "jogo das cadeiras" para liderar na UE

"Breves de Bruxelas": O "jogo das cadeiras" para liderar na UE
Tamanho do texto Aa Aa

Ganhar por "poucochinho", como diria o primeiro-ministro português, não impede Manfred Weber de reivindicar o cargo de presidente da Comissão Europeia para o Partido Popular Europeu. Este é o tema de "Breves de Bruxelas", programa sobre a atualidade europeia.

O eurodeputado alemão reconhece que a bancada do centro-direita perdeu quatro dezenas de assentos, mas ainda assim é o vencedor porque o seu partido foi o mais votado.

"Tendo em conta o resultado, considero que temos legitimidade para pedir a liderança e é isso que meu partido fará", disse Weber à euronews.

Mas o processo para suceder a Jean-Claude Juncker, da mesma cor política, está repleto de obstáculos, um dos quais a Hungria.

Durante a campanha, Weber disse não precisar do apoio do governo de Budapeste, que agora o rejeita.

"Os votos no Fidesz expressos pelo povo húngaro representam 52% dos votos. O facto de Manfred Weber considerar o povo húngaro como de segunda é inaceitável e rejeitamo-lo. A população húngara não tem menos valor do que quaisquer outros cidadãos, de qualquer outro Estado-membro. Portanto, com base nessa posição, não podemos apoiá-lo", afirmou Péter Szijjártó, ministro dos Negócios da Hungria.

Prerrogativa do Conselho Europeu

A verdade é que, segundo o tratado da União Europeia, cabe os chefes de Estado de de Governo, reunidos em Conselho Europeu, escolher o líder do executivo europeu, podendo mesmo rejeitar os candidatos principais que se apresentaram durante a campanha.

Os liberais cresceram em quatro dezenas de assentos, são a terceira forca e líderes como o Presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel, querem mais protagonismo.

"Aprecio o Senhor Weber, com quem tive reuniões no Luxemburgo, em Estrasburgo. É uma pessoa muito simpática e tenho a certeza de que faria um bom trabalho. Mas não é só uma questão de quem faz o trabalho, mas que projeto apresenta para esse cargo", explicou Bettel, em entrevista à euronews.

Do lado liberal, o nome mais consensual é Margrethe Vestager, atual comissária europeia para a Concorrência e ex-vice-primeira-ministra da Dinamarca.

Os socialistas e democratas, que ficaram em segundo lugar, lutam por outro comissário, o holandês Frans Timmermans.

Os não candidatos

Um eterno mencionado nos bastidores é o francês, de centro-direita, Michel Barnier, negociador-chefe do Brexit por parte da União Europeia, apreciado pelo presidente francês e pela chanceler da Alemaha, Angela Merkel.

"Na política europeia há duas questões importantes. Por um lado, os resultados: quem ganhou as eleições e o tamanho dos vários grupos partidários. Depois há as questões do género, equilíbrio entre países do norte, sul, leste e oeste, a competência de cada pessoa. Habitualmente, os presidentes da comissão são ex-primeiros-ministros", afirmou Rosa Balfour, analista política no centro de estudos The German Marshall Fund of the US, em Bruxelas.

Variáveis que serão analisadas à lupa na cimeira informal da União Europeia, terça-feira, em Bruxelas.

Cada país usa os seus trunfos, faz as suas alianças e, às vezes, acaba por "se tirar da cartola um coelho" que ninguém esperava, como foi o caso do português Durão Barroso, em 2004.